Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 216 | Ano 22 | AGO 2017
ARTE+
LIVRO

A narrativa do terror na Faixa de Gaza

Por Gilson Camargo

A narrativa do terror na Faixa de Gaza

Foto: João Laet / Divulgação

Foto: João Laet / Divulgação


O jornalista palestino Mohammed Omer foi o único correspondente de guerra a permanecer na Faixa de Gaza durante os bombardeios da Operação Margem Protetora – possivelmente a mais violenta ofensiva das tropas israelenses nesta década contra os territórios ocupados por 1,8 milhão de palestinos –, deflagrada no início de julho de 2014. Os horrores que o autor testemunhou ao longo de 51 dias de bombardeios e o contexto de segregação dos palestinos na região após os ataques são descritos no livro Em Estado de Choque – Sobrevivendo em Gaza sob Ataque Israelense, 344 páginas, recém-lançado pela Autonomia Literária, com tradução de Vinícius Gomes Melo.

O autor mora em Gaza com a mulher e o filho que, à época, tinha três meses de idade. “Queria fugir desse lugar e salvar minha família, mas essa é a minha terra, minha casa ancestral. Decidi ficar e denunciar”, explica Omer, que atua como correspondente do New Statesman, Electronic Intifada, Al Jazeera, The Nation, New York Times e Pacifica Radio.

Seu diário de guerra foi publicado no formato de livro, em inglês, em Nova Iorque e Londres, no ano de 2015. No entanto, a reportagem Uma voz para os sem-voz, que daria origem ao livro agora traduzido para o português valeu ao autor o Prêmio Martha Gellhorn de Jornalismo em 2007. Omer reporta em suas crônicas o massacre de pessoas conhecidas dele, vizinhos, parentes, amigos, comerciantes do bairro onde mora, e narra as dificuldades extremas enfrentadas no cotidiano pela população devido ao cerco israelense. “Os produtos estão estragando nas quitandas porque as pessoas têm medo de sair à rua e serem atingidas por franco-atiradores; não há lugar seguro; não temos água potável”, exemplifica. Seus compatriotas, diz, vivem “sob estado de sítio”, em uma “prisão a céu aberto”. Apesar de possuir o passaporte holandês, salvo-conduto para circular pela região sem ser agredido ou preso pelas tropas israelenses, Omer optou por permanecer na Faixa de Gaza após os bombardeios. Queria denunciar ao Ocidente as consequências do massacre. Um dos entrevistados no livro, o médico Ahmed Abu Tawahinah, explica ao repórter que a maioria das crianças em Gaza tem dificuldades para dormir ou estudar, pois não superou o trauma e o estresse causado pela violência.

Foto: João Laet / Divulgação

Foto: João Laet / Divulgação

A narrativa do terror na Faixa de Gaza

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

CARNIFICINA – A última ofensiva israelense devastou a Faixa de Gaza, deixando ao final de sete semanas de hostilidade 2,2 mil palestinos mortos, dos quais 77% eram civis e 536 crianças. Além da carnificina perpetrada “sob as vistas grossas da comunidade internacional”, os bombardeios deixaram um rastro de destruição, atingindo hospitais, abrigos e escolas – duas delas protegidas pela ONU –, ferindo mais de 10 mil civis.

Nas páginas do livro, Omer narra o terror daqueles dias: “cadáveres são conservados como vegetais em geladeiras desligadas por falta de energia elétrica; famílias correm para fora de seus apartamentos depois de serem informadas por telefone que o F-16 israelense destruiria o edifício nos próximos 3 minutos; jovens fardados descarregam suas metralhadoras contra tudo que se move, com o aval de seus superiores; drones passam zunindo no céu e cemitérios são alvejados por mísseis para que a população não encontre seus familiares enterrados”.

Exclusivo Web

Imagem: reprodução

Imagem: reprodução

 

 

ENTREVISTA/ Mohammed Omer

“A Palestina não deve ser punida pelos medos de Israel”

Em entrevista por e-mail ao Extra Classe, o jornalista palestino Mohammed Omer relata como é o dia a dia da população na Faixa de Gaza desde os bombardeios de 2014, que ele testemunhou e registrou em livro. E critica a opressão imposta aos palestinos pelo Estado de Israel: “apenas nos deem paz. Isso é pedir muito?”, indaga.

A narrativa do terror na faixa de gaza

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Extra Classe – O senhor afirma que a eleição de Barack Obama para a presidência dos EUA em 2012 representou para muitas pessoas em Gaza a esperança de paz e justiça, depois frustrada. Como vê a era Trump?

Mohammed Omer – Como eterno otimista sempre espero e rezo por mudanças e efeitos positivos por aqueles que trabalham duro para ter uma vida melhor e garantir o futuro das próximas gerações. Acredito que a maioria das pessoas é boa na essência, e quero acreditar que alguém com poder as defenderá quando estiverem subjugadas pela miséria e dor. O presidente Obama representou uma face de esperança e mudança para muitos. Uma mensagem de união e boas-vindas para a humanidade. Não estou certo de que o presidente Trump possa unir as pessoas positivamente. Mas, ele está no palco agora, o mundo está assistindo, então vamos ver!

EC – Como explicar para o Ocidente a influência norte-americana na região e o seu apoio incondicional a Israel nas suas políticas de massacre ao povo palestino em Gaza?

Omer – A atual influência dos EUA na região remonta o período pré e pós II Guerra Mundial e os planos para colonizar e dividir a Palestina e criar o Estado de Israel. Existem muitos livros escritos por autores renomados sobre a história moderna da criação de Israel às custas da contínua destruição e eliminação de uma Palestina plural e multicultural. Como palestino, sinto grande tristeza e descrença em outra tentativa flagrante de apagar pessoas e culturas. É um anátema (contradição) para minha crença pessoal na tolerância, unidade, paz e verdadeira democracia. Mas, sigo firme no meu otimismo e esperança.

EC – O que representa ter seu livro editado no Brasil?

Omer – Estou satisfeito e orgulhoso de publicar meu livro no Brasil. Espero que o povo brasileiro ouça as vozes do povo palestino, enquanto lutam por sua antiga pátria, identidade e uma vida mais tranquila, com espaço para respirar e chance de desenvolvimento.

EC – Por que o senhor, ao contrário dos demais correspondentes de guerra, optou por permanecer em Gaza durante os bombardeios de 2014?

Omer – Eu sou palestino e, embora assustado – assim como minha família, vizinhos e amigos – não poderia deixá-los sozinhos. Essa foi a minha escolha. E, profissionalmente, senti que era meu dever estar em Gaza para testemunhar em primeira mão o que Israel estava fazendo e relatar os fatos na origem – apesar de estar aterrorizado.

EC – No livro Em estado de choque – sobrevivendo em Gaza sob ataque israelense (Ed. Autonomia Literária, 2017), o senhor relata o dia a dia dos bombardeios israelenses. O que testemunhou nesses “dias de terror”? Como cidadão palestino, como se sentiu?

Omer – Como eu disse anteriormente, acho difícil acreditar que as tentativas flagrantes e consistentes de eliminar milhões de pessoas de suas terras sejam sancionadas e permitidas. Quando alguém acredita em democracia, liberdade e tolerância, como eu, é difícil compreender como Israel pode infligir tanto sofrimento e dor aos seus vizinhos. Como um povo que sofreu tanto ainda inflige dor a outros? Como pode?

EC – Como foi o período pós-ataques e como vive o povo palestino em Gaza atualmente?

Omer – O período de pós-ataque foi um estado de choque coletivo, quando a vida foi posta em espera novamente. Meus conhecidos e amigos só faziam lutar, buscar entes queridos, limpar, colocar as coisas no lugar, reconstruir um pouco de vida e sanidade dentro de uma situação insana em que não podiam se defender contra um poder desproporcional. Em Gaza, as pessoas são unidas no sofrimento e na dor, e mantêm firme sua dignidade, identidade e memórias. Gaza ainda está ocupada por Israel nos céus, nas fronteiras e no mar. Gaza foi relegada a um enclave, um gueto bloqueado para comprimir a esperança das pessoas e a economia, para lentamente fazê-las partir. O fato de o povo palestino persistir na sua terra e manter-se firme na sua tradição, apesar da dor, é, de fato, um testemunho de coragem e orgulho.

 EC – A narrativa se utiliza de entrevistas com pessoas locais. Você teve contato com alguma delas nos anos seguintes à operação Margem Protetora?

Omer – Meu trabalho sempre foi denunciar as vozes das pessoas, vizinhos e amigos para que seus pedidos de ajuda não sejam ignorados. Tento acompanhar os entrevistados e o curso de suas vidas. Conheço e converso com pessoas locais sempre que posso. E eles sabem que podem entrar em contato comigo a qualquer momento. Mas eu também respeito que depois de uma grande dor as pessoas querem estar sozinhas, em paz, pensar, sofrer e silenciosamente seguir a vida.

EC – Como o povo palestino lida com o trauma e o estresse causado pela violência, que atingem especialmente as crianças, conforme relata no livro o médico Ahmed Abu Tawahinah?

Omer – É difícil para quem está fora de uma zona de guerra ou área bloqueada densamente povoada entender como pessoas presas, constantemente vigiadas e esquecidas lidam com as brutalidades, punições e assédio. A capacidade humana para sobreviver a esse trauma sempre me surpreende. Especialmente crianças que, na sua inocência, não têm ódio e só desejam encontrar a felicidade, a normalidade e a simplicidade novamente. Expressar sua tristeza e experiência é vital para lidar com tudo isso. Meu coração fica partido diante de crianças que crescem em meio a tanta dor e trauma, em que a desordem de stress pós-traumático e todos os sintomas que a definem são considerados normais. O coração de uma criança é tão frágil, mas sua capacidade de perdoar é enorme. Ninguém, adulto ou criança, deve ser forçado a uma “norma” de guerra, violência e stress pós-traumático como um sintoma diário. Punição econômica coletiva e sistemática e tortura metódica são inaceitáveis. “Faça aos outros o que gostaria que eles fizessem a você”, certo?

EC – Como é a educação das crianças em Gaza?

Omer – Gaza se esforça para tentar manter uma alta qualidade de educação e alfabetização, apesar das circunstâncias de bloqueio impostas. As crianças e os jovens ainda valorizam, assim como os pais e avós, o desempenho acadêmico como uma porta de entrada para o sucesso, segurança econômica, opções e escolhas mais amplas na vida, como a maioria das pessoas no mundo. Mas, quando as escolas e faculdades de Gaza são bombardeadas, os materiais escolares não podem ser levados e os cortes de energia significam estudar à luz de velas, lápis e pedaços de papel. Você pode imaginar o quão frustrante é isso para estudantes ambiciosos e inteligentes que só querem prosperar? A educação é um direito universal. Pessoalmente, sou orgulhoso dos estudantes de Gaza por lutarem contra as adversidades.

EC – As escolas estão funcionando?

Omer – Sim, as escolas estão funcionando – a esperança de Gaza é com sua geração jovem. A qualidade da educação é excelente, a maioria das escolas é administrada pela Agência de Socorro e Obras das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina (UNRWA). Existe um desejo imutável entre os palestinos de ir às escolas, não importa como, mesmo que uma casa seja bombardeada. Eu já vi crianças procurando por mochilas nas ruínas de suas casas para ir à escola. É a resiliência.

EC – O senhor afirma que Gaza poderia ser o vizinho perfeito para Israel. Por quê?

Omer – Essa é uma grande questão. Realmente acredito que Israel e Palestina poderiam ser os vizinhos perfeitos. A Palestina, sob o mandato antigo ou moderno, era multicultural e pluralista. Todos os credos viviam lado a lado, até mesmo casamentos entre as religiões aconteciam, e as famílias compartilhavam as antigas terras, culturas, benefícios e lucros. Tudo isso está documentado e comprovado. Se um acordo razoável pudesse ser alcançado para dividir justamente a terra e as fronteiras para beneficiar a todos, mutuamente, sem divisão religiosa, acredito que a Palestina poderia ser uma bandeira regional de tolerância, democracia e prosperidade para todos. O Oriente Próximo, a África do Norte e o Oriente Médio seriam, mais uma vez, uma rota comercial rica e uma atração turística histórica, aderente à paz e unidade, não à guerra e divisão. As culturas do judaísmo, cristianismo e islamismo, nesta terra, têm uma riqueza profunda em comum. Isso deve ser unido como um orgulho multinacional e investido no futuro comum. Palestina e Israel podem ser mais fortes juntas, em paz, com respeito e dignidade. Devemos estar acima do ódio e da dor presentes, e ver um horizonte pacífico mais amplo, onde o sol brilha sobre todos nós. Pode me chamar de sonhador, mas acho que é um realismo possível, com comprometimento otimista.

EC – O que desejam os palestinos da Faixa de Gaza?

Omer – Como palestino de Gaza sei que as pessoas querem viver suas vidas livremente, em paz e com dignidade, acordar sem medo, assim como ditam os direitos humanos universais. Os palestinos em Gaza só querem ser livres de vigilância de drones, conflitos armados, paredes, cercas, postos de controle, torres de vigia, bombardeios e constantes intimidações, opressões e repressão. Os palestinos desejam poder respirar, rir, continuar suas vidas, desenvolver sua economia, pescar, cozinhar, acender as luzes, ter água para lavar roupa, dar as boas-vindas aos seus vizinhos globalmente e não ter que ver Israel coberta de bombas, helicópteros e aviões de combate. A Palestina não deve ser punida pelos medos de Israel. Apenas nos deem paz. Isso é pedir muito?

*Tradução do inglês: Grazieli Gotardo.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS