Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 219 | Ano 22 | NOV 2017
ENTREVISTA | ANA MAE BARBOSA

Educação sem arte, educação para a obediência

A pioneira da arte-Educação fala sobre MBL, Escola Sem Partido, reforma do ensino médio e alerta sobre a importância do ensino das artes
Por Marcelo Menna Barreto
“Retirar Artes do ensino médio é reduzir a possibilidade do desenvolvimento de habilidades importantes em outras disciplinas”

Foto: Lóryen Bessa

“Retirar Artes do ensino médio é reduzir a possibilidade do desenvolvimento de habilidades importantes em outras disciplinas”

Foto: Lóryen Bessa

Carioca de nascimento, criada em Pernambuco, Ana Mae Barbosa é a principal referência no Brasil para o ensino de artes nas escolas. Foi a primeira brasileira a fazer doutorado em Arte-Educação. Para custear seus estudos na Universidade de Boston, deu aulas de cultura brasileira em Yale. Influenciada pelo educador Paulo Freire (1921-1997), desenvolveu a “abordagem triangular para o ensino de artes”, concepção sustentada sobre a contextualização histórica, a apreciação da obra e o fazer artístico. Acumula diversos prêmios e mais de uma dezena de livros que são referência para a arte-educação contemporânea. Neste ano, foi escolhida pelo Itaú Cultural como uma das dez pessoas ou coletivos que atuaram de forma relevante na vida artística e cultural do país nos 30 anos de atuação do instituto. Em 2016, recebeu o Prêmio Jabuti na categoria Educação e Pedagogia com a obra Redesenhando o Desenho – Educadores, Política e História. Professora aposentada da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), Ana foi diretora do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP) e presidente do International Society of Education through Art (InSea), além de professora visitante da Universidade de Ohio (EUA). Aos 81 anos, Ana Mae não para de trabalhar. Nesta entrevista ao Extra Classe, ela fala sobre a importância do ensino de artes na formação dos educandos e critica a retirada dessa disciplina do currículo do ensino médio. “Querem uma geração fácil de manipular”, alerta

Extra Classe – Além de precursora da Pós-graduação em Arte-Educação no Brasil, a senhora ficou conhecida pela defesa da inclusão do ensino da arte nos currículos na educação básica e das instituições de ensino. Como se sentiu ao ver a retirada das disciplinas de Artes, Educação Física, Filosofia e Sociologia pela reforma do ensino médio?
Ana Mae Barbosa – Fui discípula do Movimento Escolinhas de Arte, criado em 1948. Senti que estávamos retrocedendo 46 anos na qualidade do Projeto de Educação no Brasil. Retiraram justamente as disciplinas que desenvolvem a capacidade crítica dos jovens. Com o objetivo de formar uma geração facilmente manipulável esqueceram até de um dos slogans fundantes da Cultura Ocidental: “Mens sana in corpore sano”.

EC – No seu entendimento, qual é a importância do ensino de Artes na formação dos indivíduos?
Ana Mae – Há duas linhas. Uma chamada essencialista que defende as Artes nas escolas por que as Artes são visceralmente importantes para o desenvolvimento do ser humano. A prova é que existem desde o tempo das cavernas, apesar de serem perseguidas por censura (como agora no Brasil), corte de verbas, encarceramento e até eliminação de artistas, críticos e professores ao longo da História. Outra linha, a contextualista, tem respostas mais científicas baseadas em pesquisas. Chegaram à conclusão que a aprendizagem em Artes é transferível para a aprendizagem de outras disciplinas.

EC – Como o ensino das Artes nas escolas pode se tornar uma ponte para outras disciplinas?
Ana Mae – Foi fundamental nos Estados Unidos a descoberta, nos anos 1990, de que os alunos com as melhores notas ao longo de dez anos no teste SAT (equivalente ao Enem) tiveram alguma disciplina de Artes em seu currículo. Passou-se então a estudar o ensino das Artes em referência à transferência cognitiva. As perguntas eram: O que se aprende e o como se aprende? Artes é transferível para outras disciplinas? O desenvolvimento mental que as Artes proporcionam é aplicável ao modo como se aprende as outras disciplinas?

EC – E quais foram as respostas?
Ana Mae – James Catterrall (Phd em educação pela Stanford Universty, professor emérito da Universidade da California, atualmente Diretor do Centro de Pesquisas em Criatividade do California Institute of the Arts – CallArts) dedicou grande parte de sua vida às pesquisas que provam que as Artes desenvolvem a cognição do indivíduo. Cognição esta que pode ser aplicada a outras áreas do conhecimento. Chegou à conclusão de que as Artes desenvolvem até a inteligência medida pelo teste QI, que é apenas uma parte da inteligência, a inteligência racional. Encontrou quatro pesquisas que provam a transferência de aprendizagem das Artes Visuais para outras áreas. Essas pesquisas demonstraram que o estudo de Desenho aumenta a qualidade de organização da escrita; raciocinar sobre Arte desenvolve a capacidade de raciocinar sobre imagens científicas; a análise de imagens da Arte propicia a capacidade de leitura mais sofisticada, interpretação de textos e inter-relacionamento de diferentes textos. Enfim, a “instrução em Artes Visuais” como fator de desenvolvimento da prontidão para a leitura compreensiva foi uma das conclusões das quatro pesquisas que Catterrall analisou.

EC – Isso só nos estudos de Artes Visuais?
Ana Mae – Sim! Já o número de pesquisas provando a transferência de cognição em Teatro para outras áreas foi quase cinco vezes maior, o que o levou a identificar também maior número de consequências positivas da experiência em Teatro para o comportamento cognitivo dos jovens de ensino médio. Foram identificados uma maior compreensão da leitura oral de textos, maior compreensão do discurso oral em geral, aumento da interação entre pares, capacidade de escrever com eficiência e prolixidade, habilidades de resolução de conflitos, concentração de pensamento e habilidades para compreender as relações sociais. Também aparece a capacidade para compreender problemas complexos e emoções, além de estímulo ao engajamento. Ainda, habilidade de interpretação de textos não relacionados e maior disposição e capacidade de desenvolver estratégias para resolução de problemas.

EC – E isto sendo trabalhado de forma integrada?
Ana Mae – Nas pesquisas sobre as Artes Integradas, que não podem ser confundidas com a perversa polivalência, mas que tem para cada Arte o seu professor, todos trabalhando interdisciplinarmente, foram comprovados avanços individuais e coletivos em autoconfiança, melhoria do autoconceito, capacidade de assumir riscos, concentração de atenção, perseverança, empatia pelos outros, autoiniciação à aprendizagem, persistência em tarefas difíceis, aprendizagem autoral, habilidades de colaboração e liderança. A integração das Artes ainda é fator de redução da evasão escolar, elevação das aspirações educacionais dos alunos e desenvolvimento de habilidades de pensamento de ordem superior. A lista de transferência cognitiva da Música para outras áreas não artísticas de conhecimento é grande também e inclui desenvolvimento em Matemática e em percepção espacial e espaço/temporal.

EC – E estamos falando de Estados Unidos, que muitas vezes servem de exemplo para o discurso dos nossos atuais governantes, não?
Ana Mae – Pois é… Tendo em vista o fraco desempenho de estudantes norte-americanos em Ciências, foi criado nos Estados Unidos, nos ensinos fundamental e médio,  o sistema interdisciplinar Stem, isto é, a inter-relação entre Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Entretanto, as pesquisas não demonstraram a melhoria esperada em ensino das Ciências. A pesquisadora e professora Georgette Yakman, incluindo as Artes, conseguiu melhores resultados e a partir do seu trabalho o Stem se transformou em Steam, sistema que inclui Ciências, (Sciences) Tecnologia, Engenharia, Artes (e Design) e Matemática. Acrescentando as Artes verificaram que a imaginação e os processos de criação foram intensificados. Verificaram também que as Artes se tornaram importantes culturalmente, comunicativamente e facilitadoras da aprendizagem das outras áreas envolvidas no sistema. O cuidado agora é para que no Steam as Artes não virem mero trabalho de ilustração.

“Minha geração fez sua educação emocional à margem da escola, nos filmes de Hollywood, a da minha filha, nas novelas da Globo”

Foto: Lóryen Bessa

“Minha geração fez sua educação emocional à margem da escola, nos filmes de Hollywood, a da minha filha, nas novelas da Globo”

Foto: Lóryen Bessa

EC – A retirada do ensino de Artes do currículo do ensino médio é muito mais danosa e complexa do que se parece?
Ana Mae – Até agora usei argumentos de ordem objetiva e resultados de pesquisas para demonstrar a importância do ensino das Artes, porque a educação emocional não interessa a políticos que em educação almejam apenas ver o Brasil subir no ranking mundial, reduzindo ao mínimo o que tem de ser aprendido e criando testes para provar que a aprendizagem foi realizada. Retirar Artes do ensino médio, portanto de adolescentes, é reduzir a possibilidade do desenvolvimento de habilidades importantes em outras disciplinas além das Artes. Outro aspecto da Arte na educação em nossos dias é o fato de se reconhecer que o conhecimento da imagem é de fundamental importância não só para o desenvolvimento da subjetividade, mas também para o desenvolvimento profissional e a decodificação do mundo ao redor.

EC – Como se dá essa decodificação?
Ana Mae – Pelo conhecimento crítico de como os conceitos visuais, sociais e históricos aparecem na Arte, como eles têm sido percebidos, redefinidos, redesignados, distorcidos, descartados, reapropriados, reformulados, justificados e criticados em seus processos construtivos ilumina a prática da Arte, mesmo quando essa prática é meramente comercial.

EC – Como as Artes impactam os adolescentes?
Ana Mae – Quero ressaltar a importância das experiências com Artes na adolescência, idade difícil, de mudanças hormonais, corporais, de modo de pensar e sentir, de início de autonomia na vida privada e na sociedade, de inter-limites, ora sendo tratados como adultos ora sendo vistos como crianças. A linguagem presentacional (aquele que capta e processa a informação através da imagem) das Artes articula a cognição através da integração do pensamento racional, afetivo e emocional numa escola à qual só interessa a linguagem discursiva e científica das evidências. A minha geração fez sua educação emocional à margem da escola, nos filmes de Hollywood. A geração da minha filha nas novelas da Globo.

EC – E as novas gerações?
Ana Mae – Comecei a fazer uma pesquisa acerca dos quartos de adolescentes mulheres de São Paulo para analisar suas escolhas culturais. Estou ainda no início e restringi a amostra a adolescentes que têm contato com Arte em casa e na escola e que não são submetidos ao universo pequeno-burguês dos decoradores nem ao gosto da mãe.

EC – Quarto de adolescentes? Onde a senhora quer chegar?
Ana Mae – O ponto central é verificar a importância da artificação da vida; o tornar a sua própria vida, o seu trabalho de arte; ver como esse processo de tornar a sua vida em obra de arte ajuda a equilibrar emocionalmente; como ajuda também a refletir sobre conceitos. É mais ou menos isso que eu pretendo. Mas eu estou, realmente, só iniciando. Fiz recentemente um estudo, que é o da porta de uma adolescente.

EC – Porta?
Ana Mae – É totalmente permitido fazer o que quiser dentro do quarto, mas é a porta que me chamou a atenção. Eu fotografei essa porta quando ela (a adolescente) estava com 14 anos. Depois, quase aos 17, fotografei de novo e analisei a mudança. Aos 14, ela colava coisas todas tiradas de internet, tinha uma ideia de feminismo assim vaga; achou a Carol Rossetti (ilustradora mineira) na internet. Carol é uma jovem que produz imagens e usa frases em relação ao empoderamento da mulher, faz críticas de como a sociedade cerceia a mulher. É muito interessante essa jovem. Então, a menina estava encantada em poder falar sobre ser mulher.

EC – O que mais a senhora percebeu?
Ana Mae – As colagens refletiam o amor romântico. Dois anos depois é diferente. Ela já ousa colocar coisas dela. Desenhos dela, fragmentos de desenhos colados em cima da porta também. Já existe uma capacidade crítica para ver o mundo ao redor, participando na escola de um projeto de fazer sanduíches para os moradores de rua. Começou a olhar essas pessoas e chega até a fazer um texto, um texto assim solidário, emocionalmente sensível em relação à condição daqueles que estão na rua. Escreve o texto no umbral da porta!

EC – O que significa?
Ana Mae – É muito curioso porque é exatamente na passagem para dentro do quarto. A porta é muito significativa porque é uma passagem para o universo dela. Então, ela faz quase que o seu manifesto na porta, que é a entrada do seu universo, o quarto onde ela pode fazer tudo. O quarto é o santuário dela.

EC – O que pensa sobre o movimento Escola sem Partido?
Ana Mae – Escola sem Partido, sim. Imagine uma escola dirigida pelo PMDB? Iam tomar até o dinheiro da merenda escolar das crianças. Aliás, isto já andou acontecendo em São Paulo e em outros estados. Queremos escola que leve os alunos a desenvolverem seus próprios valores políticos e ideológicos e forme seres humanos que combatam pelo menos a barbárie da escravidão que periga voltar com as bênçãos legais aprovadas por um Congresso dominado pela bancada ruralista que está sustentando no governo o presidente não eleito.

EC – Como explicar a atual onda de obscurantismo?
Ana Mae – É coisa de Legislativo e Executivo com mais de 90% de rejeição popular. Deixa censurar exposições que se referem a sexo mas busca apoio em um ícone da pornografia no Brasil.

"O conhecimento da imagem é de fundamental importância não só para o desenvolvimento da subjetividade, mas também para o desenvolvimento profissional e a decodificação do mundo ao redor"

Reprodução

“O conhecimento da imagem é de fundamental importância não só para o desenvolvimento da subjetividade, mas também para o desenvolvimento profissional e a decodificação do mundo ao redor”

Reprodução

EC – Por que o Escola sem Partido quer cassar o título de Patrono da Educação Brasileira de Paulo Freire?
Ana Mae – É lamentável que sejamos incapazes de valorizar nosso patrimônio cultural. Houve um tempo em que o reconhecimento internacional de brasileiros era comemorado por nós. Um exemplo é o CNPQ ter homenageado Cesar Lattes, dando seu nome à plataforma de avaliação individual de pesquisadores. Ele foi neutralizado pela ditadura, escolhendo viver lá fora, mas cientista reconhecido internacionalmente. Paulo Freire é leitura obrigatória em Harvard. No Brasil, querem destitui-lo como Patrono da Educação Brasileira. Absurdo. Será que querem substituí-lo por Bernhard Rust? (Ministro da Ciência, Educação e Cultura Nacional da Alemanha Nazista de 1934 a 1945).

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS