Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
16/01/2018
POLÍTICA

Ong integra movimento mundial contra a ocupação da Palestina que promove o boicote a empresas, serviços e contatos culturais israelenses
Por Marcelo Menna Barreto
Movimento de boicote a marcas israelenses ganha adeptos pelo mundo, como Gijón, no norte da Espanha

Foto: BDS/ Divulgação

Movimento de boicote a marcas israelenses ganha adeptos pelo mundo, como Gijón, no norte da Espanha

Foto: BDS/ Divulgação

No último dia 8 de janeiro Israel decretou a proibição de entrada de 20 organizações ou de seus membros no país que apoiam o movimento de base Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), que tem ganho adeptos internacionalmente ao propor o boicote de empresas, serviços e contatos culturais com Israel enquanto continuar a ocupação da Palestina e a expansão dos assentamentos judeus que contrariam várias resoluções da ONU. Entre as entidades banidas está a centenária American Friends Service Committee (AFSC), que em 1947 recebeu o Nobel da Paz exatamente pelo seu trabalho humanitário de apoio a refugiados do holocausto nazista.

Na lista divulgada pelo governo de Israel como represália ao movimento em defesa da Palestina, há grupos dos Estados Unidos, da África do Sul, da França e milhares de ativistas sociais. Segundo o Ministério de Assuntos Estratégicos israelense, os vetos são para os principais atores de “atuação sistemática e contínua” contra Israel. Entre as entidades banidas, além da AFSC, destacam-se a Jewish Voice for Peace (Voz Judaica para a Paz), a American Muslims for Palestine, Code Pink, National Students for Justice in Palestine.

Organização de apoio humanitário e antiguerras, fundada pelos Quakers, um dos menores grupos religiosos no mundo, a AFSC é homenageada no memorial israelense do Holocausto, Yad Vashem, em Jerusalém. Segundo o diretor Mike Merryman-Lotze, responsável pelos escritórios em Jerusalém, Cisjordânia e Gaza, a entidade continuará a defender a paz e a justiça em Israel e na Palestina, independente do recente anúncio do governo de Israel. Para ele, o apoio ao BDS “está em linha com o nosso apoio semelhante para desinvestimento no apartheid da África do Sul. Nosso trabalho é motivado pela crença Quaker no valor e na dignidade de todas as pessoas e é essa crença que nos levou a apoiar e se juntar a uma resistência não violenta contra a violência e a opressão em todo o mundo, incluindo a Palestina”.

Lotze, diretor da AFSC: “resistência não violenta contra a violência e a opressão em todo o mundo, incluindo a Palestina”

Foto: AFSC/ Divulgação

Lotze, diretor da AFSC: “resistência não violenta contra a violência e a opressão em todo o mundo, incluindo a Palestina”

Foto: AFSC/ Divulgação

APARTHEID – Inspirada no movimento de contestação ao regime de segregação racial que vigorou na África do Sul, a campanha do movimento BDS tem como objetivo chamar a atenção para o que os ativistas chamam de crimes cometidos pelo Estado de Israel e forçá-lo a respeitar o direito internacional, concedendo direitos iguais aos palestinos israelitas e reconhecer o direito de retorno dos palestinos expulsos de suas terras pelos colonos judeus desde 1948, que integram a série de resoluções da ONU desrespeitadas por Israel.

Idealizado em 2005, o BDS está ganhando espaço e preocupando o governo sionista. Em 2014, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento atribuiu à campanha grande parte da responsabilidade pela queda de quase 50% do investimento estrangeiro em Israel em relação ao ano 2013. Segundo Pedro Charbel, Coordenador Latino-americano do Comitê Nacional Palestino do BDS esse é o último dado oficial, mas a própria decisão tomada no último dia 8 por Israel demonstra que a ação em solidariedade ao povo palestino está cumprindo seus propósitos. “Não é à toa que dentro do Ministério de Assuntos Estratégicos de Israel exista uma pasta específica, com um orçamento gigantesco só para tratar a questão do BDS”, afirma.

Atualmente muitos fundos de pensões – em especial suecos, noruegueses e holandeses – retiraram seus investimentos de empresas israelenses, a exemplo de Elbit Systems, Africa Israel Investments, Danya Cebus e G4S, ou de bancos do país, implicados na política segregacionista ou na construção de colônias em terras palestinas.

Para Charbel, ação em solidariedade ao povo palestino está cumprindo seus propósitos

Foto: Manuela Aldabe/ Divulgação

Para Charbel, ação em solidariedade ao povo palestino está cumprindo seus propósitos

Foto: Manuela Aldabe/ Divulgação

A holandesa Vitens, uma das maiores empresas do mundo em serviços de água, cortou suas relações com sua parceira israelense, a Mekorot. A também holandesa PGGM, uma das 20 maiores administradoras de fundos de pensões do mundo, em 2014 alegou motivos éticos para deixar de investir em cinco bancos de Israel que financiavam assentamentos judeus. Da mesma forma, a MSCI, um dos principais fornecedores globais de análises e índices para investidores, retirou a Caterpillar de três dos seus índices de empresas socialmente responsáveis porque os tratores dessa marca eram usados na destruição de casas de palestinos por militares israelenses. Em efeito cascata, a decisão da empresa de rating atingiu o TIAA-CREF, um fundo de ações americano, que removeu ações da Caterpillar, totalizando 72 milhões de dólares do seu fundo de “Opção Social”.

Em 2015, a multinacional francesa Veolia, que participou da construção do metrô que interliga colônias judaicas erguidas em volta de Jerusalém, vendeu todos os seus negócios em Israel depois de anos de pressão dos ativistas BDS e após ter perdido cerca de 20 milhões de dólares em licitações e contratos na Suécia, França e no Reino Unido. Mais recentemente, outra multinacional francesa, a Orange, retirou-se de Israel, rompendo a sua colaboração com a empresa israelense Partner Communications devido à pressão do BDS.

CULTURA – Impulsionado pela American Studies Association e a Association for Asian American Studies um dos aspectos da BDS que mais tem inquietado o poder israelense é o boicote acadêmico e cultural. Em outubro e novembro de 2015, mais de 600 importantes nomes de várias universidades britânicas assinaram uma declaração de adesão ao boicote contra Israel e de recusa de relações com universidades do país. Em seguida, mais de 120 acadêmicos irlandeses publicaram carta semelhante de adesão ao boicote. Significativa ainda foi a atitude do físico Stephen Hawking que, em protesto contra a ocupação e os assentamentos, negou-se a participar em 2013 de uma conferência organizada pelo presidente de Israel, Shimon Peres, que atrai milhares de participantes. Em junho passado, as duas maiores universidades do Chile cancelaram eventos patrocinados pela embaixada de Israel.

Do ambiente cultural, inúmeros músicos como Roger Waters, Elvis Costello, Carlos Santana deixaram de se apresentar em Israel. Entre os cineastas figuram nomes como o brasileiro Savio Late, e Ken Loach, Mike Leigh e Jean-Luc Godard. Noam Chomsky, Adolfo Perez Esquivel, Naomi Klein, Alice Walker, Henning Mankell, Robert Fisk, entre outros escritores e intelectuais, também juntaram-se ao boicote.

Manifestação na França reivindica o boicote a empresas, produtos e serviços israelenses

Foto: BDS/ Divulgação

Manifestação na França reivindica o boicote a empresas, produtos e serviços israelenses

Foto: BDS/ Divulgação

AMÉRICA LATINA – Para Charbel, o BDS cresce forte na América Latina. Segundo ele, uma das principais razões são as conexões entre as lutas latino-americanas e a busca palestina por liberdade, justiça e igualdade. A pressão da sociedade civil, afirma, levou o governo brasileiro a recusar Dani Dayan, um notório defensor das colônias de Israel nos territórios palestinos, como embaixador no Brasil em 2015.

No Rio Grande do Sul, em 2014, a israelense Elbit Systems deixou de realizar acordo de colaboração e perdeu o acesso aos financiamentos públicos de universidades locais. Entre os projetos cancelados, a construção de um satélite militar no valor de 17 milhões de dólares. Ainda em 2014, a empresa de saneamento Mekorot perdeu um acordo de cooperação com o estado de São Paulo e a possibilidade de construir uma usina de tratamento de água em parceria com o estado de Buenos Aires, Argentina, deixando de faturar de 170 milhões de dólares. Em abril de 2016, foi a vez da Bahia cancelar um acordo com a Mekorot.

Em 2016, outra forte campanha BDS levou uma grande cadeia de restaurantes na Colômbia anunciar o fim de seu contrato com a empresa britânica de segurança G4S, uma das responsáveis pelo gerenciamento do sistema penitenciário na Palestina ocupada. A empresa, que já tivera seu contrato com o Centro de Pesquisa Latino-Americano (Ciespal) cancelado, anunciou no final de 2016 que colocou sua subsidiária em Israel à venda.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS