Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 197 | Ano 20 | Set 2015
LUIS FERNANDO VERISSIMO
COLUNISTA

A ideia

Arte: Ricardo Machado

Arte: Ricardo Machado

O diplomata francês Jean Monnet é creditado com a “invenção” do Mercado Comum Europeu, depois da Segunda Guerra Mundial. Mas teve um predecessor famoso: Napoleão Bonaparte, que, em 1812, às vésperas de invadir a Rússia com seus 600 mil homens, cheio de planos para o futuro depois de dominar os russos e expandir seu império até a Ásia, revelou que sonhava com uma Europa unida, com leis e um sistema Judiciário comuns, os mesmos pesos e medidas – e a mesma moeda. A capital destes Estados Unidos da Europa bonapartistas seria, claro, Paris. A invasão da Rússia não foi como Napoleão esperava, e suas tropas foram derrotadas, como se sabe, pelo General Inverno, o mesmo que, anos mais tarde, ajudaria a deter o exército de Hitler. O fracasso de 1812 foi o começo da derrocada do império napoleônico, que se completou com o exílio do imperador, e o fim de todos os seus planos, em 1815.

A Europa sonhada por Napoleão seria a primeira experiência de uma união continental depois da queda do Império Romano. Fora os romanos – cujo “império” foi uma coleção de províncias submissas, nada como um estado múltiplo –, o que Napoleão imaginava não tinha precedentes. Era uma ideia sem base e sem modelo. Já a ideia de um estado europeu proposto por Monnet e os outros arquitetos do Mercado Comum surgiu numa Europa cujas elites, em grande parte, se pareciam e compartilhavam a mesma cultura e os mesmos hábitos. Tinham até, em comum, o francês, a língua da diplomacia e, como sabe qualquer leitor dos russos de Tolstoi a Nabokov, a língua que os aristocratas falavam para não serem entendidos pelos servos.

Para também facilitar o sucesso da nova união, houve a Segunda Grande Guerra e suas consequências. A guerra foi um exemplo do que precisaria ser evitado no futuro e a reconstrução da Europa depois dos estragos da guerra um exemplo da necessidade de um esforço conjunto que superasse fronteiras nacionais. O Plano Marshall, que ajudou na reconstrução da Europa, pode não ter sido uma pura amostra de altruísmo americano – seu objetivo maior foi assegurar para os Estados Unidos, que saíram da guerra como a maior potência industrial do mundo, um mercado europeu para a sua produção – mas também foi um exemplo inspirador de cooperação transnacional.

Mas nem Napoleão Bonaparte nem Monnet e os outros visionários poderiam imaginar que suas ideias seriam sequestradas pelo capital financeiro e a sonhada comunidade europeia acabasse numa desunião entre credores e devedores, um império de paróquias defendendo seus respectivos banqueiros, com a capital, claro, em Berlim. A ideia não era essa.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS