CULTURA

Livro reúne registros feitos durante uma década sobre grafite em Porto Alegre

POAlaroides urbanas, de Breno Serafini, apresenta um mosaico com 166 fotos de grafites, de diferentes autores, realizados na capital gaúcha
Da Redação / Publicado em 24 de março de 2022

Foto: Fábio Alt/ Divulgação

Em novembro de 2021, o fotógrafo Fábio Alt registrou a presença dos artistas de rua Gugie, de Florianópolis; Negrito, de São Paulo; Reis, de Porto Alegre; e Brasiliano, de Santa Maria, durante o Festival de Arte Urbana – eles não participam do livro, mas são expressivos da cultura do grafite na capital gaúcha

Foto: Fábio Alt/ Divulgação

O livro POAlaroides urbanas – uma ode visupoética a Porto Alegre (Parangolé Editora,188 p.), de Breno Serafini, é um mosaico de 166 fotos de página inteira, permeadas por textos do autor em homenagem à capital gaúcha – que está completando 250 anos.

Foto: Divulgação

Livro terá dois momentos de lançamento e exposição em Porto Alegre

Foto: Divulgação

Com prefácio de Fábio Zimbres e curadoria do artista visual Luís Flávio Trampo, a obra será apresentado em dois eventos. O pré-lançamento será no domingo, 27, às 18h, no Espaço Brasco (Rua Fernandes Vieira, 286), às 18h, com um coquetel oferecido pelo OAKS burritos e entrega dos livros para os artistas do grafite e apoiadores. E na terça-feira, 29, o lançamento oficial, com uma exposição de 20 fotos de grafites, no Centro Municipal de Cultura (Av. Erico Verissimo, 307), às 19h. A exposição ficará aberta à visitação até 8 de abril no local, de segunda a sexta das 9h às 18h – e nas terças e quartas das 9h às 22h. O evento integra a programação oficial do aniversário de 250 anos de Porto Alegre.

Foto: Divulgação

Grafite de Jackson Brum

Foto: Divulgação

O livro celebra Porto Alegre a partir do registro de sua arte urbana, principalmente grafite, que foram captados pelo celular do autor. Nesse sentido, faz um inventário de dez anos de registro fotográfico, com uma variedade de autores e de formatos que representam hoje o que a cidade tem de mais significativo nessa arte.

O que iniciou como um registro solitário, cotidiano, quando começou a tomar a forma de seu produto final, o livro, contou com a curadoria do artista visual Luís Flávio Trampo, uma referência na arte do grafite porto-alegrense, que destaca a força desse movimento cultural no sul do Brasil.

“Essa arte sem fronteiras tem como uma de suas principais características a fácil integração de seus adeptos, que são como agentes multiplicadores dessa manifestação popular. As intervenções nas ruas de Porto Alegre vão além da tinta spray. Muitos artistas (ativistas) usam diversas técnicas e suportes para registrar sua arte, seja colando adesivos e cartazes, seja pintando de uma forma livre. Muros que embelezam e denunciam, expressando uma cidade que pulsa e vibra cultura”, conceitua.

Caos e poesia

Foto: Divulgação

Grafite de Pati Rigon

Foto: Divulgação

No prefácio, o quadrinista, ilustrador e artista visual Fábio Zimbres explica que cada intervenção é uma tentativa de trazer para essa cidade algo que, para cada grafiteiro/pixador, falta nela: um rosto humano, fantasia, leveza, amor e até mais ruído, mais fricção, que, em geral, são escamoteados na normalidade forçada.

“Como a cidade, este livro tem várias camadas. Os autores do caos estão mais ou menos escondidos, só vemos pedaços do que eles (nós) deixam(os) para trás. O que vemos são os artistas intervencionistas, expostos às intempéries, trazendo a cura efêmera. E a seguir, vem o olho que captura e desenha um mapa fraturado dos pontos desse corpo, um diagrama das intervenções, as novas, as velhas, as que sumiram. No conjunto, temos um quadro incompleto, caótico e poético, no qual essa sobreposição de autores se funde num objeto que passa a existir dentro da cidade. Um retrato da cidade cercado de cidade por todos os lados”, destaca.

O autor

Foto: Ariel Serafini/ Divulgação

Na obra, Serafini faz um inventário fotográfico da arte de vários autores e formatos que representam o que a cidade tem de mais significativo no grafite

Foto: Ariel Serafini/ Divulgação

Natural de Santiago, Breno Serafini tem doutorado em Letras pela Ufrgs e é autor de outros seis livros: Mosaico Laico, CBJE (2010); Geração Pixel, Edições do Autor (2011); Millôres dias virão, Libretos Editora (2013); Picassos Falsos, Editora Buqui (2014); Bichos de Todos os Reinos, Edições do Autor (2015); e Colloríssimo – a coroação e o destronamento de Collor segundo Verissimo, AGE (2016) Instagram @poalaroides ou @brenoserafini), de Breno Serafini. Curadoria do artista visual Trampo e prefácio do o quadrinista, ilustrador e artista visual Fábio Zimbres.

Comentários