POLÍTICA

Eleição no Uruguai terá segundo turno

Daniel Martínez, da Frente Ampla, coalizão de centro-esquerda que governa o país há 14 anos, enfrenta o neoliberal Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional, que desponta como favorito
Por Gilson Camargo / Publicado em 28 de outubro de 2019
Pacote da área da segurança pública foi rejeitado em plebiscito

Foto: Rogerio Thomaz/ Comunicasul

Pacote da área da segurança pública foi rejeitado em plebiscito

Foto: Rogerio Thomaz/ Comunicasul

A coalizão de centro-esquerda Frente Ampla, do atual presidente Tabaré Vázquez, que governa o Uruguai por mais de 14 anos, não alcançou os 50% de votos necessários para decidir a eleição presidencial em primeiro turno e agora será submetida a mais um duro teste no dia 27 de novembro diante de seus rivais conservadores.

Com 99% das assembleias de voto examinadas, segundo o Tribunal Eleitoral, no final da manhã desta segunda-feira, 28, o candidato de centro-esquerda Daniel Martínez, aparece com 39.17% (939.363 votos) ante 28.59% (685.595 votos) de Pou.

O ex-presidente Pepe Mujica foi eleito senador

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O ex-presidente Pepe Mujica foi eleito senador

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Além da votação em primeiro turno para o sucessor de Tabaré Vázquez, presidente do país desde 2005, 2,7 milhões de uruguaios elegeram no domingo a nova composição do Congresso e votaram um plebiscito sobre um projeto de reforma constitucional na área da segurança pública, tema que dominou o debate durante a campanha. A Frente Ampla elegeu 13 cadeiras, o Partido Nacional, 10, contra quatro do Partido Colorado e três do Cabildo Abierto.

O ex-presidente do Uruguai, José Mujica, foi eleito senador. Ele havia renunciado ao cargo no Senado em 2018, quando justificou que estava “cansado da longa viagem” e se afastaria “antes de morrer de velho”. Ele se candidatou pelo Movimiento de Participación Popular (MPP), que integra a Frente Ampla. Depois de votar, Pepe disse que deve voltar às ruas para fazer campanha para Martínez, na disputa do segundo turno.

PLEBISCITO – Submetido a plebiscito popular, o projeto Viver sem medo é um pacote de medidas que inclui a criação de uma força especial de segurança com poder de polícia em todo o território, Guarda Nacional, e alteração no sistema de justiça do país, como a aprovação da prisão perpétua, o fim da progressão de pena e violação de domicílios à noite para buscas com autorização judicial. A proposta obteve somente 46%, ou 1.120.780 votos e foi rejeitada.

Martínez, da coligação de Tabaré Vásquez, e o neoliberal Lacalle Pou se enfrentam novamente em novembro

Foto: Reprodução

Martínez, da coligação de Tabaré Vásquez, e o neoliberal Lacalle Pou se enfrentam novamente em novembro

Foto: Reprodução

Martínez, reiterou o tema da campanha, argumentando que Tabaré Vásquez, da sua coligação, encaminhou o país para o aprofundamento do modelo de desenvolvimento econômico com inclusão social. Ele comemorou o resultado do primeiro turno e disse que influenciará o eleitorado a seu favor.

Representante de grupos conservadores que querem quebrar a hegemonia da Frente Ampla, Luis Lacalle Pou, filho do ex-presidente Luis Alberto Lacalle e candidato derrotado por Vásquez em 2014, anunciou que obteve apoio dos demais candidatos em alguns estados. A escalada de violência é apontada como a principal razão para a perda de apoio do partido no poder. O Uruguai se igualou a Brasil, Colômbia e Venezuela com a maior proporção de mortes violentas em 2018, com 11,8 homicídios a cada 100 mil habitantes.

Comentários

Siga-nos