Jornal Extra Classe - Jornalismo além da superfície
Nº 036| Ano 4| Out 1999
ENSINO PRIVADO
ENSINO PRIVADO

Sinpro/RS entrega Prêmio Educação RS no Dia do Professor

Da Redação

Homenageados receberão a Pena LIbertária, criação do artista plástico Gustavo Nakle

Uma homenagem a todos aqueles que se dedicam à arte de ensinar. Assim pode ser definido o Prêmio Educação RS, concedido pelo Sinpro/RS todos os anos como forma de marcar a passagem do dia do Professor (15 de outubro). Em 1999, cinco experiências educacionais diversas foram laureadas: Escola Itinerante em Acampamentos do MST, Programa Interinstitucional de Integração da Universidade com a Educação Básica, Programa de Convênios da Secretaria Municipal de Educação com Creches Comunitárias, Fundação Unitrabalho, professor Mário Osório Marques e a educadora Zillah Mattos Totta recebe uma Menção de Reconhecimento (in memorian).

A premiação – representada por uma Pena Libertária criada pelo artista plástico Gustavo Nakle – foi instituída no ano passado em comemoração aos 60 anos do sindicato. Os principais objetivos são reconhecer e valorizar pessoas, instituições e projetos que se empenham em inovar e a desenvolver uma educação de qualidade, como também incentivar o desenvolvimento de novas iniciativas. “O prêmio tem contribuído para que, além de valorizar os trabalhos realizados na área, se perceba a efervescência que existe na educação”, comemora Soraya Franke, coordenadora de Educação do Sinpro/RS. Para Celso Stefanoski, especialista em Educação Popular e coordenador de formação do Sinpro/ RS, a “qualidade das iniciativas surpreendeu pelo conteúdo, metodologia e compromisso social”. Stefanoski fez parte da comissão julgadora do prêmio.

Para caracterizar o evento como um marco no circuito educacional gaúcho, o sindicato mobilizou uma rede de personalidades e instituições de notório saber na área. Neste ano, a comissão indicadora foi composta por 95 integrantes que apontaram 48 iniciativas . Um segundo grupo formou a comissão julgadora, composta nesta edição por Nilton Bueno Ficher, doutor em Educação; Sollon Annes Viola, especialista em Educação; Jussara Dutra Vieira, presidente do CPERS-Sindicato; Márcia Domingues Freitas e Castro, pedagoga; Celso Stefanoski, especialista em Educação Popular ecoordenador de Formação do Sinpro/RS; Pedrinho Alcides Guareschi, PHD em Sociologia; e Edni Oscar Schröder, diretor geral da Secretaria de Estado da Educação. Os critérios utilizados para as distinções são principalmente o compromisso com a educação, a transformação da sociedade, desenvolvimento da cidadania e integração com a comunidade. A entrega dos troféus Pena Libertária aos cinco premiados ocorre no Salão Piratini do Hotel Embaixador (rua Jerônimo Coelho, 354 – Porto Alegre), às 19h, no Dia do Professor, 15 de outubro.

Os Laureados de 1999

– A Escola Itinerante do MST promove, mediante formas pedagógicas alternativas, a educação básica para crianças e jovens nos acampamentos. A escola segue um modelo organizado em etapas -que correspondem o ensino de 1ª a 5ª série – e que coloca em questão o modelo tradicional, comprovando a possibilidade de se fazer educação respeitando o tempo de cada aluno na construção do conhecimento.

– O Convênio da Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre com creches comunitárias atende crianças de zero a seis anos em todas as regiões da cidade. Atualmente totaliza 110 entidades, o que representa cerca de 7 mil crianças.

– A Fundação Unitrabalho -rede universitária de estudos e pesquisas sobre trabalho surgiu em 1995 e atua na área de extensão e pesquisa nos âmbitos local, regional e nacional. Segundo os indicadores, a Rede Unitrabalho tem possibilitado a potencialização de um processo sistemático de aproximação das universidades e das entidades representativas dos trabalhadores, a partir da execução de projetos de pesquisa e extensão demandados por entidades sindicais e órgãos governamentais relacionados ao mundo do trabalho, bem como suas transformações.

– O Programa Interinstitucional de Integração da Universidade com a Educação Básica integra as instituições de ensino superior participantes do programa em um núcleo articulador de ações comuns e específicas na área da educação fundamental. Sua abrangência é estadual, atingindo cerca de 350 municípios em todas as regiões do estado.

– O professor Mario Osorio Marques, de Ijuí, é filósofo, teólogo, doutor em Educação pela Ufrgs, e já dirigiu várias instituições, entre elas a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ijuí, o Centro de Comunicação e Educação Cooperativas do Alto Uruguai (CCCAU). Além de professor no Mestrado Educação nas Ciências na Unijuí, é integrante das Sociedades Brasileiras de Sociologia e de Estatística, presidente-fundador da Sociedade Ijuiense de Auxílio aos Necessitados (SIAN) do Conselho Editorial da Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos.

– Zilah Mattos Totta (in memorian), Menção de Reconhecimento. Foi professora integrada na luta por melhores condições para a educação e pela valorização do magistério público estadual. Formada em Filosofia, Zilah iniciou sua carreira como educadora em 1939 e associou-se ao CPERS em 1946, entidade que veio a presidir de 1981 a 1984. Foi diretora de escola, fundou o Instituto Educacional João XXIII, foi Secretária Estadual de Educação e recebeu o título Educadora Emérita do governo do estado.

Marcado .Adicionar aos favoritos o permalink.
© Copyright 2014, Jornal Extra Classe - Todos os direitos reservados.

Os comentários estão encerrados.


CONTEÚDOS RELACIONADOS