MOVIMENTO

Força-tarefa de combate aos feminicídios organiza ações no RS

Estado está entre os que mais matam mulheres no país. Somente em 2020 foram 78 assassinatos motivados por questões de gênero
Da Redação / Publicado em 25 de março de 2021
Criada em 2019, força-tarefa trabalha para a garantia de políticas públicas que defendam a vida e a dignidade das mulheres

Foto: Leandro Molina/ Arquivo ALRS

Criada em 2019, força-tarefa trabalha para a garantia de políticas públicas que defendam a vida e a dignidade das mulheres

Foto: Leandro Molina/ Arquivo ALRS

A Força-tarefa de Combate aos Feminicídios no Rio Grande do Sul, vinculada à Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa (ALRS), realiza nesta quinta-feira, 25, às 17h, reunião virtual para organizar seu calendário de atividades em 2021.

O encontro acontece no mês de março em alusão ao Dia Internacional da Mulher. Na reunião será apresentado o Manifesto do Levante Feminista Contra os Feminicídios, lançado nesta manhã.

O RS foi o terceiro estado brasileiro que mais matou mulheres vítimas de feminicídio em 2019 e é o quarto nesse quesito em 2020. Ao todo, no ano passado, foram 78 mulheres assassinadas no RS, vítimas de feminicídio.

Políticas públicas

A força-tarefa, lançada em 2019, trabalha para a garantia de políticas públicas que defendam a vida e a dignidade das mulheres gaúchas, através de trabalho conjunto entre os parlamentos, a Assembleia Legislativa, a Câmara dos Deputados, o Congresso Nacional, os demais poderes e os movimentos sociais.

O presidente da Comissão de Segurança e Serviços Públicos, deputado Edegar Pretto (PT), destaca a relevância do encontro, sobretudo neste período de pandemia, em que a incidência dos feminicídios vem aumentando. “A Assembleia gaúcha reforça esse conjunto para enfrentar o grave problema que vivemos no estado, relativo às mortes de mulheres vítimas de feminicídio. A força-tarefa congrega várias forças para atuar nesse sentido”, observa.

O encontro virtual contará com a presença de autoridades de todos os poderes e lideranças dos movimentos de mulheres, feministas e ligadas aos direitos humanos. Acompanhe no canal da TV Assembleia no Youtube: https://youtu.be/YgStWCeAJjo

Comentários