SAÚDE

Grande procura por vacina causou transtornos no primeiro dia de imunização do ensino privado

A vacinação dos trabalhadores da educação infantil da rede privada de Porto Alegre iniciou às 8h desta quinta-feira, 3, em dois postos de Saúde. Um deles, com vacinas esgotadas até o meio dia
Por Stela Pastore / Publicado em 3 de junho de 2021

Na unidade Modelo, até o meio dia, seguia praticamente sem aglomeração, mas a partir das 13 horas, já contava com mais de 150 pessoas na espera pela vacina

Foto: Stela Pastore

O feriado de Corpus Christi, 3, foi de comemoração, mas também de indignação para muitos dos trabalhadores da educação infantil da rede privada de Porto Alegre, que foram se vacinar contra a covid-19 nos postos de Saúde Modelo, no bairro Santana, e na Unidade de Saúde IAPI, no Passo D´Areia.

As filas começaram muito cedo no IAPI e davam várias voltas no prédio quando, no meio da manhã, começou a circular a informação de que as doses haviam acabado naquela unidade.

Muitos educadores que estavam na fila, mesmo inseguros e ansiosos, começaram a se deslocar para a unidade Modelo, que até o meio dia seguia praticamente sem aglomeração. Porém, a fila foi se avolumando e, às 13 horas, já contava com mais de 150 pessoas na espera pela vacina.

Os trabalhadores da educação foram sendo informados pelos colegas que estavam na fila ou em casa, que o número de pessoas no IAPI havia superado enormemente a quantidade de vacinas ofertadas para hoje.

Por meio da assessoria de comunicação, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) preferiu não informar as quantidades disponibilizada do imunizante ou as equipes, mas afirmou que a quantidade de doses distribuídas foi estimada para o público calculado. “O que aconteceu foi uma procura desproporcional ao IAPI. A capacidade da unidade foi exaurida com tanta gente concentrada lá. Tanto que precisou fazer um ponto de corte na fila, vacinar até determinado ponto. Como o Centro de Saúde Modelo estava tranquilo no final da manhã, emitimos um alerta na mídia e para a informar os que aguardavam no IAPI que poderiam se dirigir à unidade do Bairro Santana, independente da letra do alfabeto, como estava organizado”.

Educadores que aguardavam no IAPI informaram que as senhas terminaram no número 1200 e que seriam quatro aplicadores de vacina, enquanto no Modelo seriam 17 profissionais aplicando o imunizante.

A gerente da Região Centro, Aline Medeiros, informou por volta das 13h que ainda dispunha de mais de mil doses e seguiria a vacinação até às 16 horas, mantendo os presentes informados quando as doses estivessem por acabar.

Comemoração

A professora Júlia Stevão e a filha Luna, de 5 anos: homenagem ao SUS

Foto: Stela Pastore

Sem filas pela manhã, Mariana Souza, 24 anos, professora do São Judas Tadeu, deixou a Unidade Modelo vacinada e comemorava. “É gratificante. É uma dose de esperança e a gente se sente mais seguro para trabalhar”, definiu.

Scarlet Marques dos Santos, 22 anos, da Amiguinhos do Planeta, esperou 15 minutos e foi vacinada. “Eu estou muito feliz. Comecei a trabalhar há um mês com carteira assinada e só estava esperando esse momento”, descreveu.

Professora do Colégio Farroupilha, Cristine Peixoto, temia não conseguir. Ao se vacinar, comemorou com suas quatro colegas. “Viemos com muita vontade de se vacinar”, relatou.

“Gente! O Modelo tá vazio! Vem pra cá correndo”, informava às colegas a professora Juli, 24 anos, que preferiu não informar o nome e a escola. Ela chegou às 9h no prédio do IAPI e aguardou até o meio-dia, quando chegou o aviso de que as doses acabaram. “A gente tá cansada e não vê a hora disso acabar”, resumiu.

A cada dose tomada, uma comemoração com alívio. Muitas com direito a foto, pela sensação inacreditável de terem acesso ao imunizante. A professora Júlia Stevão esteve no IAPI com sua filha Luna de 5 anos, e foi uma das que migrou para o Modelo, sem antes parar no canteiro central da Rua Jerônimo de Ornelas e escrever um cartaz escrito “Viva o SUS”, que segurou na fila e esperava postar em suas redes após a imunização. “Cheguei às 11h no IAPI e tinha muita fila e muito boato. Cada um falando uma coisa e estavam distribuindo fichas. Informaram que podia vir pra cá”, contou a educadora que levou material para Luna pintar enquanto esperava.

Outra jovem migrante da fila do bairro Passo D´Areia aguardou menos de meia hora para ser atendida na unidade do bairro Santana. Estava emocionada portando o cartão de primeiro dose junto com seu jovem colega, Nelson Angelus, 24 anos, também já imunizado em Canoas. “Estou em êxtase! Na hora passa muita coisa na cabeça, é muita emoção”, descreveu Bianca Rocha, 20 anos, após a vacina.

Calendário

A prefeitura municipal de Porto Alegre antecipou para hoje, a vacinação da rede privada, prevista inicialmente para a próxima semana. O processo iniciou com os professores municipais da educação infantil e a intenção é imunizar a todos que atendem essa faixa etária. Ao todo, são 3.500 profissionais da rede privada que receberão doses da Pfizer ou Astra/Oxford, com intervalo de 21 a 28 dias para a segunda dose. A vacinação será retomada nesta sexta-feira, 4, em 12 unidades de saúde da capital.

Comentários