EDUCAÇÃO

Doação de órgãos e transplantes é tema da Sipat no Colégio Rosário

É a segunda vez que o projeto Cultura Doadora, da Fundação Ecarta, é convidado para falar sobre o assunto para professores e funcionários da instituição
Por Stela Pastore / Publicado em 6 de outubro de 2021

Foto: Colégio Rosário

Foto: Colégio Rosário


A Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho (Sipat) 2021 do Colégio Marista Rosário, de Porto Alegre, abordará na tarde desta quarta-feira, 6, o processo da doação de órgãos e tecidos ao transplante. A palestra ocorre de forma remota e presencial e é dirigida aos cerca de 450 professores e funcionários da instituição.

O painel foi organizado pelo projeto Cultura Doadora, da Fundação Ecarta, e conta com a participação da enfermeira da Organização de Procura de Órgãos do Hospital São Lucas da PUC, Katiane Rocha, e de Luana Severo, que falará sobre o processo de transplante duplo de pulmão de seu filho Pedro, 10 anos, transplantado há dois anos.

Consulta interna

Foto: Igor Sperotto

Em 2019, o tema também foi pauta na Sipat do Rosário

Foto: Igor Sperotto

O tema é recorrente na Sipat do Colégio. Em 2019 o projeto Cultura Doadora já havia tratado do assunto. A enfermeira responsável técnica pela escola, Simone Quevedo Cunha, relata que em uma consulta interna sobre qual assunto tratar na Sipat 2021 o pedido para falar de doação de órgãos foi muito intenso, relembrando a atividade de 2019, quando ocorreu, entre outros, o relato de uma criança transplantada.

Na ocasião, a ativista da doação de órgãos, Rochelle Benites, foi uma das painelistas. Ela faleceu neste ano, aos 42 anos, a espera por um transplante duplo de pulmões.

“Tivemos um depoimento muito marcante que abriu os olhos de muitos colaboradores. A atividade foi emocionante e a temática foi novamente solicitada”, relatou a profissional da saúde que também atua como tenente enfermeira no Hospital da Brigada Militar em Porto Alegre.

Simone destaca a importância do tema ser tratado no ambiente escolar e gerar a sensibilização para esse ato que salva vidas. “Divulgar como ocorre a doação de órgãos, a importância de falar com a família quando se é doador, quantas pessoas podem continuar vivendo com esse gesto e como funciona o sistema de transplantes são informações relevantes que podem ser multiplicadas”, entende.

Formação da cidadania

Ela registra a intenção de acentuar a parceria com o projeto Cultura Doadora na retomada das atividades presenciais para levar a formação aos 3.000 alunos e familiares. “Queremos dar andamento por meio de materiais que possam ser difundidos também na comunidade. O trabalho da Fundação Ecarta é importante porque contribui na formação para a cidadania”, concluiu a profissional de saúde.

Para o idealizador do projeto Cultura Doadora e presidente da Fundação Ecarta, Marcos Fuhr, tratar de doação de órgãos no ambiente escolar é muito gratificante porque se dá justamente num espaço de formação e multiplicação de informações.

“Ficamos muito honrados com o convite de retornar ao Colégio Rosário e estamos à disposição para contribuir com outras instituições que queiram tratar do tema. As doações e transplantes reduziram na pandemia e a lista de espera é grande. Essa é uma ação por meio da informação para salvar vidas”, observa Fuhr.

Mais de 40% dos familiares negam a doação de órgãos nos casos de morte encefálica, em geral, por desinformação. A doação de órgãos de um paciente salva até oito pessoas e dá qualidade à vida de outros pacientes. Apenas pacientes com morte encefálica são doadores de múltiplos órgãos e do total de óbitos apenas 2% tem morte encefálica.

Dados de junho mostram 45.664 adultos e 865 crianças aguardando por transplante no Brasil. O Rio Grande do Sul já foi líder em doação de órgãos e atualmente ocupa o oitavo lugar. O número de transplantes feitos pelo SUS em 2020 foi o menor em oito anos em decorrência da pandemia.

Cultura Doadora

O projeto Cultura Doadora foi criado com o objetivo de dar visibilidade ao tema, sensibilizar para a causa e lutar por melhorias na estrutura médico/hospitalar. Escolas, associações e empresas interessadas em tratar do assunto pode entrar em contato com o projeto pelo e-mail culturadoadora@fundacaoecarta.org.br e fone 51. 4009.2970.

Mais informações sobre o projeto em www.culturadoadora.org.br

Comentários

Siga-nos